quinta-feira, outubro 27, 2005

Acerca de Rafael Porlan e o Querer, Saber e Poder

"O papel da escola na sociedade actual há-de modificar-se à medida que as circunstâncias exigem a assunção de novas funções. O aluno chega hoje à escola com um caudal de conhecimento fragmentário, inconexo, oferecido por pessoas com interesses espúrios (comerciais, políticos, económicos…), seguramente afastados dos seus. Os meios de comunicação, a mobilidade social, as experiências interculturais, oferecem-lhe uma bagagem de dados pouco rigorosos e escassamente articulados. A escola o ajudará a reconstruir criticamente esse conhecimento vulgar, o brindará com critérios para as suas análises e lhe proporcionará princípios para a sua justa e racional utilização.
Para que um professor chegue a conceber o currículo como uma experimentação, como indagação, para que se interrogue constantemente com o sentido e a natureza da sua prática, é preciso que se dêm 3 condições simultâneas: QUERER, SABER e PODER."
Miguel Angel Santos Guerra
Universidad de Málaga.
21 de agosto de 1993

3 comentários:

AnaOliveira disse...

Bárbara, é curioso que este post me trouxe memórias do Projecto de Investigação-Acção que realizei no 4º Ano da Licenciatura em Educação de Infância, pois essas três condições foram o "fio condutor" da investigação realizada... Só o "poder" ficou aquém das expectativas, pois não dependia da nossa intervenção... É, realmente, difícil conseguir estas três condições em simultâneo...

Nunoliveira disse...

Concordo inteiramente com as 3 condições embora também ache que te-las em simultâneo ainda é verdadeiramente difícil.

AnaOliveira disse...

Ao reler o post e os nossos comentários... ocorreram-me as dimensões do ideal/desejável e do real/possível... De facto, como disse uma vez o Professor Varela numa das aulas... "se fizermos tudo o que estiver ao nosso alcance... então podemos estar descansados..." e citando o aviador francês "quando não se deu tudo, não se deu nada".
É bom, termos a consciência do que seria ideal, para dentro das nossas limitações fazermos o melhor possível...