quinta-feira, outubro 27, 2005

“Intercultural” - interacção e intercâmbio entre culturas e subculturas.

De acordo com Leite, Intercultura…

«É uma questão (…) não só do reconhecimento de modos de vida e valores diferenciados, mas também, da existência de um diálogo onde cada sujeito portador de uma dada cultura se valoriza através de um conhecimento e reconhecimento cada vez maior de si e dos outros, que ajuda a construir uma articulação entre os próprios.» (Leite, 1997, p.117).

Para este autor, escola, educação e cultura são domínios interactivos e todos exercem influências.
As práticas multiculturais e interculturais nas escolas estão no início e não estão a influenciar os domínios interactivos referidos pelo autor.

A provar conto-vos a experiência mais recente com a comunidade cigana:

Quarta-Feira a Turma do 1º Ano iniciava a sua aula de Educação Física com um pequeno diálogo e verificação do material para a aula (sapatilhas, fato de treino). A professora relembrou que sem fato de treino não poderiam fazer a aula e todos recordaram a regra. O aluno Manuel não tinha fato de treino e ficou a assistir à aula (tal como o combinado). Do exterior da Escola, o Pai e o Avô gritam com a professora acusando-a de racismo e agridem verbalmente a docente. A professora tenta explicar que se trata de uma regra aplicada a toda a escola, mas as agressões continuam e a professora é forçada a abandonar a escola.

Após esta cena desagradável a coordenadora da escola explicou que se tratava de uma regra da escola e apelou ao respeito e à calma.

Eu acabei por dialogar com a mãe e a avó do aluno que se dirigiram entretanto à escola e perguntei porquê apelidar de racismo o cumprimento de uma regra da escola, a resposta foi que ainda havia muito “racismo no mundo” e seguiram-se mais uma série de ameaças. O estigma estava naquelas palavras, a reacção foi violenta, assim como foi claro o não conhecimento e reconhecimento de si e dos outros. O aluno não foi excluído e tentei explicar à mãe que não era saudável educá-lo com esse estigma. Referi também que as culturas eram diferentes mas igualmente importantes na sua articulação e que era nesse ponto que a escola actuava com todos os alunos.
A mãe acabou por perceber, mas os avós e o pai não me pareceram nada receptivos a esta regra.

Este exemplo mostra que muito ainda está por fazer e que pelo caminho o respeito pelas normas e regras são confundidos e sentidos como discriminação.

2 comentários:

AnaOliveira disse...

É, realmente, muito complicado lidar com estas situações. Vivi alguns episódios que me vieram à memória na leitura do teu post, dos quais relato o mais recente. Ocorreu numa EB1, completamente degradada (exterior e interior). Resolvi, então, no âmbito do Projecto Mus-E, propor a pintura do exterior da escola com as crianças e com a comunidade educativa... Além de não obter o apoio dos docentes... no decorrer das pinturas fui ameaçada pelos pais, pois estava "a explorar mão de obra infantil, quando existe tanto desemprego" e "se é para isto que os meus filhos vêm à escola, então preferia que ficassem em casa."
A verdade é que não conseguimos mudar estas formas de pensar... e isso preocupa-me, pois o que a escola trabalha durante o dia... por vezes, fica do portão da escola para dentro (refiro-me ao contexto específico onde desenvolvo o projecto)...
Mas a nossa função é precisamente formar os nossos alunos como cidadãos... que serão futuros adultos... Se, nos casos extremos, não conseguirmos envolver os pais... façamos com que as crianças experimentem aprendizagens e valores que as farão ter uma atitude crítica e diferente de alguns "desvios comportamentais dos encarregados de educação"...

AnaOliveira disse...

A propósito das normas e regras serem confundidas com discriminação... considero que nos casos em que sabemos que existem encarregados de educação que têm dificuldade na compreensão das mesmas, devemos ter um especial cuidado anterior à preparação das actividades... Aquilo que parece óbvio para nós, não o será para os outros... principalmente quando não frequentaram a escola, ou quando o conceito que têm de escola não corresponde ao actual.
O envolvimento dos encarregados de educação na dinâmica da escola é, por isso, fundamental...