domingo, dezembro 04, 2005

Dança muda?

Esta pergunta tem permanecido em rodapé, na minha cabeça, desde que publiquei o meu último post “Mu…dança!”(4 Nov.). Costumo dizer que as ideias assim ficam tão presentes que as posso mesmo visualizar como se fossem pequenos textos de apoio.
A
seguir a essa publicação, exteriormente fiquei muda mas sinto que interiormente continuei a dançar. Os meus pensamentos tornaram-se mais revoltos com o tema do visível e invisível na cultura, nomeadamente com o excerto de René Huyge (8 Nov.) publicado pelo professor Varela num post sob o título “Diversidade Cultural: o visível e invisível nas culturas; implicações para o currículo”.
Por vezes as coisas levam um certo tempo na sua maturação e quanto a mim, ainda que por vezes valha a pena forçar, só devem ser feitas quando a vontade for suficiente. Quando falo em vontade, não quero dizer apenas motivação mas é mais um aglomerado de aspectos que contribuem para o prazer do indivíduo em passar naquele preciso momento à acção. Por exemplo, eu sei que estou agora a escrever este post porque, de repente, tomei verdadeira consciência que a continuidade deste espaço durará o tempo que nós quisermos que dure, assim como a forma e a qualidade do mesmo dependem de um grupo de intervenientes. Começou na preciosa sala de “Currículo e Cultura” para se expôr ao mundo inteiro. É uma prova material, um objecto colectivo em que se podem sentir todas as influências – como falava o professor Varela nesta última aula – mesmo implícitamente a presença do professor no Blog é muito forte. É necessário um certo tempo de habituação e penso que vamos poder aperceber-nos disso aos poucos. Também entre nós, os alunos, vamo-nos conhecendo melhor, em Blog, apercebendo-nos das direções que cada um vai tomando na definição do seu caminho.
O Blog “Currículo&Cultura” tem-nos permitido um espaço onde podemos dar ao outro tempo para “falar” e escolher calmamente se queremos partilhar também sobre algo que se justifique. É um acto de grande reponsabilidade, estamos a comunicar! E temos a prova! O pensamento por escrito!


6 comentários:

Margarida disse...

O tempo foi passando a uma velocidade "futurista". Pensávamos que seria sempre assim. Mas não. Outras coisas começaram a preencher mais o nosso dia-a-dia e o blog lentamente começou a abrandar simbolizando de certa forma um Outono, onde as folhas, cada vez menos caem ao chão. As folhas já estavam lá, nós só as fomos descobrindo. A esperança que neste momento possa ter é de que chegue um dia a Primavera com novas folhas para descobrirmos.

Isabel Salgado disse...

O outono não é o fim, mas é sempre um recomeçar. As folhas secas caìram para dar lugar às novas folhas. Estas sim, já lá estão só que ainda são muito pequenas, praticamente invisíveis! Há certas coisas na natureza que o olhar humano não consegue ver, pelo menos sem antes compreender.

Margarida disse...

Concordo contigo, Isabel. Por isso mesmo que adoro o Outono, pela sua beleza de maturidade que nos cobre o olhar com uma paleta de cores calmas e confortantes. Afinal, em tudo temos boas impressões. E são estas que nos impulsionam para a frente.

Varela de Freitas disse...

Vamos ser racionais. Tudo tem um tempo e tudo tem de amadurecer. O nosso blog tem ele também de amadurecer (e depende de nós, claro, o tempo que vai demorar a acontecer...) Se nos sentimos bem, se coneguimos manter os laços que entretanto foram sendo criados, teremos sucesso; caso contrário, como tudo na vida, haverá um momento em que os laços de desatam. Mas mesmo assim, terá meredido a pena.

AntonioPacheco disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
AntonioPacheco disse...

Tudo vale apena se a alma não é pequena.

Fernando Pessoa