domingo, fevereiro 19, 2006

Um Sábado delicioso

O dia de ontem foi na realidade um dia muito rico e variado, direi que delicioso. O almoço com o Professor Varela foi excelente e a única coisa que poderia melhorar, seria uma mesa redonda, onde os discursos se entrelaçassem.
À noite fui ao Teatro Nacional S. João, no Porto, deliciar-me com a tragicomédia de Molière "D. João", numa encenação de Ricardo Pais. Um conto de 1665 que continua actual e que foi muito bem adaptado (a tradução) para a nossa língua. Molière escolhe um personagem "mau da fita" para fazer a crítica à sociedade, de um modo à primeira vista cómico, mas que se reflectido até bem trágico. A sociedade e consciência são representadas pelo escudeiro de D. João, Esganarelo, uma das principais figuras da peça.
O palco foi trabalhado de uma maneira genial, que se resume a uma plataforma regular, sobreelevada e ligeiramente inclinada (construída com desperdícios de casas: janelas, portas, etc.) cheia de movimento como se tratasse de uma folha de papel.
Uma parte muito interessante do espectáculo foi a maneira como é representado o povo: um discurso que ocorre numa paisagem costeira, onde a língua que os personagens falam é o "caxineiro", demonstrando um estudo aprofundado deste dialecto, que enriquecesse em muito esta versão de D. João.
Não deixem de ir ver o espectáculo que estará patente até 5 de Março.

3 comentários:

Delfim Peixoto disse...

Na verdade concordo contigo,Margarida! Foi um Sábado onde pudemos conviver com o Professor Varela que unânimemente consideramos um exemplo. Não posso deixar de testemunhar que para além do seu profissionalismo, tudo aquilo que nos transmitiu ao longo deste semestre foi, sem dúvida novo para muitos de nós. Tenacidade, força de viver e sobretudo um carinho muito especial pelos seus alunos(as).
Também devo acrescentar que me parece que o novel Processo de Bolonha estava já a ser implementado nas suas aulas e vida académica, no que concerne à " tutoria", à programação que passou um pouco despercebida para alguns mas que creio terá sido esta: todos os alunos, sendo diferentes, tiveram uma orientação para atingirem o máximo das suas competências sem ter havido de alguma forma, um conjunto de aulas muito dirigistas mas sobretudo " molas " para a reflexão, pesquisa e aplicação dos conhecimentos, o que, na minha perspectiva se vê cada vez menos, sobretudo nos docentes universitários mais novos.
Sem querer tirar o espaço aos comentários dos colegas atrevo-me a dizer que tivemos a sorte de ter conhecido o professor nesta fase da nossa vida, esperando que continuemos a ter a oportunidade de conviver e aprender mais com ele.

filomena disse...

Parabéns Margarida pelo programa que realizaste no sábado, do qual eu tive o prazer de partilhar uma pequena parte. Concordo perfeitamente com o Delfim. Considero ainda que o Professor Varela nos deu algumas lições de vida, quanto à forma de ser, estar e sentir, por vezes mais importantes, que os conteúdos da disciplina.

AnaOliveira disse...

Delfim, faço das tuas as minhas palvras... e das tuas também Filomena, mas penso que essas "lições de vida" a que te referes também faziam parte dos conteúdos, nomeadamrente das "Competências Culturais".
Como não dá para anexar imagens do almoço no comentário vou faZê-lo num comentário... Um abraço a todos.