sábado, outubro 01, 2005

Tópico 1 – Conceitos de currículo, cultura e competência cultural

Como o professor apreciou a aula
Relato objectivo

Mesmo antes das 14 horas mais de metade dos estudantes está na sala. Às 14 e 10 só não estão os que não virão ou virão mesmo mais tarde por estarem em aulas (um problema complexo). Ocupo os primeiros quinze minutos a tratar de assuntos relacionados com os endereços de e-mail, de como aceder ao blog, comentar ou inserir um post. Procuro que os estudantes se sentem nos memos lugares: assim, pela planta da sala que fiz, posso ir ligando os nomes às caras. Às 14 e 15 começo a primeira parte da aula: uma exposição minha, apoiada por uma apresentação em PowerPoint, sobe o tópico. Explico que podem sempre interromper e questionar-me. Haverá ao longo da exposição algumas perguntas. Quando se desviaram do tema expliquei que teríamos de deixar a sua continuação para mais tarde. Falo demasiado: descontando o tempo do diálogo terei gasto entre 30 a 40 minutos.

Depois da exposição há um intervalo de 15 minutos – tempo escrupulosamente respeitado por todos. Na segunda parte da aula formam-se oito grupos (por proximidade) que devem procurar, com base na minha exposição, nos quatro pequenos textos fornecidos (três deles na aula anterior), encontrar consenso na formulação do que entendem por currículo, cultura e competência cultural. É-lhes concedida meia hora, que depois estendo a 35 minutos. Terminado esse tempo, a ideia é que cada grupo reporte as suas conclusões e que se tente encontrar as ideias dominantes (que seriam as mais consensuais). O primeiro grupo, porém, apresenta o seu trabalho em gráfico, como um mapa conceptual, e decido rapidamente alterar a proposta inicial e solicitar aos grupos que reajam à proposta desse grupo, comentando, propondo alterações. De um modo geral todos os grupos participaram, quer dando conta das suas conclusões, quer entendendo o meu desafio e propondo alterações. Intervenho sempre que penso que devo esclarecer. O nível de diálogo (no amplo sentido de discussão, não de conversa entre duas pessoas) foi muito elevado. A sessão termina à hora marcada, mas uma estudante comenta” Podíamos continuar a discutir mais uma hora…”

Apreciação subjectiva

Depois de uma primeira aula de apresentações, nesta segunda eu tinha dois pontos a testar: o esquema que me propus seguir, que normalmente funciona bem com turmas pequenas mas que é mais problemático com turmas de 30 e mais estudantes, e a reacção dos estudantes a nível de participação. Tenho sempre um plano mas não sou escravo dele.

Este primeiro tópico da unidade é importante para que seja possível tentar que os conceitos com os quais vamos trabalhar sejam o mais possível comuns; sem deixar de fazer notar que os conceitos estão “embrulhados” em palavras, e que esse é o maior problema na sua descodificação. Penso que a minha exposição foi clara, que as questões levantadas tiveram pertinência. Penso igualmente que os grupos trabalharam bem, com produtos bem acabados (veja-se o post do grupo do Abel, que creio incluía a Alexandra, a Isabel e Liseta). A discussão foi interessante e motivadora.

Agora: é importante sublinhar a importância de clarificar ainda mais o que se deva entender por currículo. Foi muito interessante, perto já do fim da aula, o diálogo com uma estudante (a Marta? A Isabel? ainda não fixei nomes!) para a qual o currículo teria de ser um “documento escrito” (isto é, o “normativo”). Também é: mas o verdadeiro currículo está na escola, é da responsabilidade do(s) professor(es). Ela dizia que isso era muito filosófico – é necessário um esforço para aceitar que assim seja. O professor tem de assumir que é autónomo e que não há ninguém que lhe possa tirar essa autonomia; claro que tem limites, como tudo em sociedade tem limites, e é aceitável que eles existam. Mas no dia a dia, o professor tem de tomar inúmeras decisões pelas quais é responsável; e ao decidir-se por esta e não aquela leitura, por esta ou aquela forma de avaliar, ele está a moldar o currículo dos seus alunos. Os programas, as orientações, são textos, são palavras: é o professor, na aula, que dá vida aos planos e promove as aprendizagens.

Fiquei razoavelmente satisfeito com os meus dois testes. Resta este, em que escrevo: será que desta vez o blog C&C vai ser mesmo um pouquinho diferente dos anteriores, no sentido de haver mais diálogo e portanto mais aprendizagens a partir dele?

2 comentários:

filomena disse...

Deixem-me ter o prazer de salientar, o quão gratificante e enriquecedor foi o debate criado e desenvolvido na aula de Curriculo e Cultura orientado pelo Prof. Dr. Cândido Varela de Freitas. Foi um sucesso toda a metodologia utilizada.É assim que aprendemos,...fazendo

Margarida disse...

Também sou da mesma opinião. A aula correu muito bem, principalmente por ter posto os seus alunos a pensarem e a pesquizarem os conceitos em conjunto. O facto de termos trabalhado por grupos ajudou-nos a conhecermo-nos mais um pouco. Afinal somos todos de mundos tão diferentes.
Senti que faltavam palavras para exprimir o que entendiamos pelos conceitos dados... A cabeça guarda-os e não os quer soltar. Mesmo que o resultado final não esteja completo, a meu ver, teremos mais tempo nestas aulas para desenvolver os nossos conhecimentos, e aprender a soltar a expressão.