segunda-feira, dezembro 19, 2005

A Educação Intercultural através da Música

O homem é um ser que comunica sendo a comunicação uma necessidade universal.
No que diz respeito à música, verifica-se que cada vez mais a música é considerada uma linguagem. Uma das grandes mensagens universais da música é a utilização de um código comum que se torne perceptível em todos os países do mundo.
O poder multifacetado da música foi conhecido desde muito cedo. A magia apoderou-se dela desde os primórdios da humanidade. Com a sua ajuda, tanto se mimava uma criança, como se estimulavam os homens da tribo para o feroz combate, tanto se intensificava a nostalgia do amor, como se ofertava aos deuses um sacrifício. A música acompanhou a vida do homem em todas as suas fases; expressou a dor e a alegria; era tocada na dança ritual, na elegia fúnebre, nos festejos da Primavera, na cura de doentes. Conhecem-se vários relatos, contos da fadas e lendas dos primórdios de todas as culturas, atribuídos à música, num poder que domina os espíritos e os povos para além das fronteiras do artístico. Da China à Grécia, é importante o pensamento de uma vida ideal, divina, sob a hegemonia da música (Pahlen, 1991, citado por Sousa, 2003).
A música, hoje, é entendida em novas bases de influência na vida humana. É preciso entendê-la e pesquisá-la na sua influência sobre as forças físicas, espirituais e psíquicas, inserindo-a num contexto de formação integral da pessoa humana e de ligação e de comunicação entre diferentes povos.
Em que sentido será a música capaz de comunicar? Desde quando se atribui à música a capacidade de pensar o mundo através dos sons? Com certeza que a resposta está em cada música, dependendo da função própria para a qual foi concebida ou do uso social que lhe foi atribuído.
A música tem a sua própria especificidade mas para além disso, tem a capacidade de interactuar com outras linguagens e outras culturas. A música comunica com a matemática, com a literatura, com as ciências sociais e humanas, com a arquitectura, com todas as formas de expressão artística, com as novas tecnologias… a dimensão interdisciplinar da música é uma realidade pedagógica-didáctica na escola, na sala de aula. A dimensão intercultural da música é, sem sombra de dúvida, factor de comunicação e de ligação entre os povos. Desde os primórdios da história até aos nossos dias, podemos considerar a música a mais ampla forma de linguagem universal (Vidal, 1999, citado por Sousa, 2003).
Sousa, M. R., & Neto, F. (2003). A educação intercultural através da música. V.N.G.: Edições
Gailivro.

2 comentários:

AnaOliveira disse...

De facto, a música e todas as formas de expressão são fundamentais para o desenvolvimento global do Ser Humano... nomeadamente no campo da Formação Pessoal e Social e do Conhecimento do Mundo - onde se insere a Interculturalidade.

Tal como refere Best (1996, p.15/16), são muitos os "educadores que insistem que as artes são mais um assunto de sensibilidade subjectiva do que cognitivo ou racional" e que "em arte é impossível aprender alguma coisa", sendo a arte "unicamente uma forma de ter uma experiência não cognitiva" ou seja, meramente lúdica.

No entanto, e de acordo com o autor supracitado, "os conhecimentos artísticos envolvem necessariamente a compreensão ou conhecimento: são expressões de certos modos de compreensão. Um sentimento artístico é identificado e o seu carácter determinado pela sua direcção em relação a um objecto; o sentimento não pode ser identificado independentemente de uma certa interpretação, concepção ou entendimento de um objecto de arte; (...) Portanto, racionalizar pode mudar a compreensão e assim o sentimento. É neste sentido que a sensibilidade artística, como a sensibilidade emocional, em geral, é racional no género, na medida em que responde à razão: em princípio está sempre aberta à possibilidade de mudar, como consequência de reflexão ou de razões apresentadas por um outro, para uma concepção diferente do objectivo e portanto, um sentimento diferente".

Assim, o contacto com as diferentes formas de expressão, por si só não basta! É fundamental que ocorra experimentação, reflexão, sobre as mesmas, para que ocorram aprendizagens significativas... geradoras de mudança de atitude e compreensão e tolerância pelo Outro... pela Diferença...

Na experimentação, em relação com o Outro, a criança realiza aprendizagens que "transporta" para o seu dia-a-dia, aprendendo a valorizar o seu trabalho e o dos outros e respeitando a variedade expressiva de cada um. As expressões têm um potencial pedagógico muito importante neste sentido e permitem à criança "viajar" pelos mundos reais e da fantasia... solidificando os seus conhecimentos. É impossível respeitar sem conhecer!!

AnaOliveira disse...

Esqueci-me da bibliografia no comentário anterior!

Best, David (1996). A Racionalidade do Sentimento. Porto: Edições ASA.