sexta-feira, dezembro 16, 2005

Avaliação, classificação, exames…


Penso que vale a pena abandonar os comentários e publicar um post que abarque alguns pontos que têm vinco a ser levantados a propósito da avaliação (em geral) e das classificações, incluindo exames. Vejo que o assunto suscita grande interesse, o que é normal, e tem igualmente proporcionado reflexões vossas muito pertinentes. Creio que o pouco que já expressei mostra qual é a minha posição. Eu sou, decididamente, pela avaliação – em todos os aspectos da educação ela é possível e desejável. Por exemplo, a medida que prevê que os livros escolares sejam objecto de avaliação e de uma espécie de certificação de qualidade faz todo o sentido. Ninguém deve ter receio da avaliação. Mas, como é evidente, tem de existir uma contrapartida séria: a avaliação tem de ser credível, transparente, e ela própria estar disponível para ser avaliada (à avaliação das avaliações costuma chamar-se meta-avaliação). Por exemplo, se o avaliador de um manual for, ele próprio, autor de um outro manual, a credibilidade dessa avaliação pode ser afectada. Eu sei que existe a ideia de que para avaliar é necessário ser-se perito no que se avalia, mas essa é uma ideia que tem sido encorajada por uma certa defesa de territórios que não me parece que seja correcta. Eu posso não ser perito numa área como seu pertencente e no entanto ser capaz de, perante critérios claros, avaliar o que for nela for feito (costuma dizer-se, a brincar, que qualquer pessoa pode avaliar bem o trabalho de um cozinheiro e no entanto não saber cozinhar). A definição dos critérios é essencial e a avaliação acabará por ser, na verdade, a arte de aplicar os critérios a situações reais.

O resultado da avaliação deve ter um carácter eminentemente formativo, e é neste aspecto que ela se distingue da classificação: uma avaliação deve sempre permitir revisão (seja em relação a um objecto, por exemplo um livro, seja em relação a uma pessoa).

Ao contrário, a classificação é definitiva, e por isso é necessário ter alguns cuidados em relação aos seus efeitos. Essa é a razão porque defendo, como sabem, que na educação básica não existam exames e consequentes classificações, que não têm mais valor do que avaliações formativas, as quais não são punitivas mas sim estimulantes para vencer as dificuldades.

Na sequência da escolaridade, alguns exames podem justificar-se sempre que for necessária uma selecção – e coloco, aí, a entrada na Universidade. Todavia, defendo que o exame não constitua a peça única, definitiva, devendo existir outro tipo de análises moderadoras. O que naturalmente é difícil, por muitos motivos.

Lembro, a finalizar, que há situações no âmbito profissional em que exames rigorosos e selectivos se justificam, para defesa da sociedade que tem de confiar na capacidade de quem exerce uma profissão. E talvez lamente que esse rigor falte em relação à nossa profissão, que tende a desculpar, na formação inicial ou ao longo da vida profissional, falhas graves que podem prejudicar crianças e jovens. Os adultos proteger-se-ão melhor…

3 comentários:

AnaOliveira disse...

De facto, não se deve ter receio da avaliação. Tal como refere Guerra (2003, p.27)"se convertermos um processo de reflexão em acção, se o alentamos desde a exigência interna da comunidade e se o desenvolvemos com rigor, pode converter-se num instrumento eficaz de profissionalização dos docentes e de melhoria da compreensão teórica e da prática educativa. (...) estas sãs as pretensões da avaliação escolar (...): melhoria da qualidade do serviço educativo, compreensão das dimensões do programa, desenvolvimento da profissão docente através da reflexão sobre a prática, controlo democrático da educação e elaboração da teoria sobre a escola."

A meu ver, a avaliação é fundamental, não devendo constituir um fim, mas um meio de optimização... um motor de mudança!

Guerra, M.A.S. (2003, p.27). Tornar Visível o Quotidiano – Teoria e Prática de Avaliação Qualitativa das Escolas. Porto: Edições ASA.

Marta Pinto disse...

Há algum país que para o ensino básico preveja que não existam classificações tal como nós as conhecemos, mas que preveja que com base na avaliação formativa se determine no final de cada período e ano lectivo, os alunos que estão aprovados e os alunos que não estão aprovados?

O método adoptado pela Escola da Ponte, privilegia a avaliação formativa de forma a estimular os seus alunos a vencer as dificuldades. Mas em Portugal, apenas conheço esta escola e sei que há alguns (bastantes) outros professores que noutras escolas, com as turmas da sua responsabilidade, também adoptam o mesmo método de ensino.

AnaOliveira disse...

Desconheço se existe algum país que proceda às avaliações tal como dizes, ao nível do Ensino Básico.
No entanto, não sendo possível essa modalidade, por questões legislativas, penso que isso não deve constituir um impedimento para a realização da avaliação formativa... Naturalmente, que na pauta prevalecerá a avaliação quantitativa/classificativa, mas o processo de ensino/aprendizagem que está inerente a esse resultado pode ser muito rico e não se limitar só a "isso"... Depende do professor pôr esse modelo em prática, em contexto de sala de aula, e motivar e sensibilizar os alunos e pais para essa prática. Penso que o desempeho dos alunos também irá beneficiar com esse procedimento (pelo menos ao nível da motivação) e, consequentemente, contribuirá para melhores resultados classificativos.
Mais uma vez, se constata a díade do ideal/desejável e do real/possível...