segunda-feira, novembro 07, 2005

Dialogar com a Cidade

«Imagine-se um professor, em início de ano lectivo, propor na sua escola a substituição dos manuais escolares por uma “leitura” atenta da sua cidade…»*

Lançado pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, o projecto DiaLugares pretende implementar uma estratégia educativa através de uma abordagem integrada nas áreas da educação, da arte e da cultura, constituindo o património natural, cultural e artístico, um meio e um processo para o desenvolvimento de uma acção transversal à vida na cidade.
A transversalidade formaliza-se pelo contacto com o património da Cidade de Almada, promovendo um diálogo com múltiplas formas de comunicação e apreensão da realidade, recorrendo à complementaridade de recursos e métodos.

Para colocar os alunos/cidadãos em contacto com os bens culturais da cidade, assumem-se dinâmicas de relação entre a mobilidade física e digital. Os alunos de várias idades frequentam vários espaços da cidade e produzem conteúdos para posterior disponibilização na Internet (para ver clique aqui).

Este projecto demonstra como as escolas podem aproveitar as manifestações culturais locais para o desenvolvimento do currículo. A melhor forma que encontraram para o fazer, foi despertar nos alunos o gosto para a observação e para o contacto com o património da cidade, através de critérios fundamentados. Cada aluno trabalha diferentes espaços da cidade, mobilizando os conhecimentos apreendidos e simultaneamente produzindo conteúdos.

* Marques, Elisa. (2005) “Cidade, para que te quero?”, Jornal de Letras, Artes e Ideias – Educação. Nº 915, p.3

3 comentários:

AnaOliveira disse...

Marta, assisti ao desenvolvimento de um projecto deste âmbito, em Reggio Emilia, Itália, mas em contexto de Educação Pré-Escolar. As crianças, fizeram uma pesquisa/investigação em enciclopédias, livros de arquitectura e imagens da cidade, na internet, através de observação directa e depois elaboraram um projecto gráfico (de acordo com as suas competências e nível de desenvolvimento) de representação da cidade. Tudo isto com a orientação do "atelierista". É muito interessante intervir desta forma...

Num dos estágios da formação inicial, realizei, em colaboração com a educadora cooperante, um projecto em que partimos do conhecimento da instituição (através de caça ao tesouro e posterior criação de maquete do jardim de infância); para o conhecimento do bairro (passeios de observação pelas ruas, comércio, serviços, espaços verdes, etc. e posterior representação gráfica); para o conhecimento do Porto (visita guiada aos principais monumentos e locais históricos - Ribeira, Sé, Torre dos Clérigos, comércio tradicional, etc., com registos gráficos e audio visuais realizados no local - de seguida construímos os arcos da Ribeira no hall de entrada, a Sé e o seu claustro, o órgão de tubos, os vitrais, etc., na nossa sala e desenvolvemos diversas actividade lúdicas baseadas nas experiências vividas - criação da história o corcunda da torre dos clérigos, etc.); partimos para um meio mais alargado: o Portugal dos Pequenitos e um almoço numa quinta medieval em Sta Maria da Feira... onde éramos todos convidados do Gato das Botas... Enfim, foi uma experiência muito significativa e enriquecedora para todos os intervenientes... sobretudo para as crianças... despertando a sua curiosidade por conhecer, explorar e preservar o que a rodeia, observando, reproduzindo, e assimilando essas aprendizagens de forma significativa!

Estte projecto que nos apresentas é muito interessante e mostra mais uma vez que "a escola não é uma preparação para a vida. A escola é vida." J.Dewey

Hildeberto Peixoto disse...

Na sequência do que foi referido pela Marta neste post e no comentário feito pela Ana, lembrei-me de partilhar com todos um projecto que acompanhei de perto enquanto aluno da ESE de Leiria.

O projecto “aMARras” surge no âmbito de uma parceria entre a Escola Superior de Educação de Leiria e a Extensão Educativa do Museu de Marinha e tem por objectivo primeiro envolver os alunos do 1º e 2º ciclo do ensino básico, que frequentam escolas da zona litoral da região de Leiria, no estudo das embarcações tradicionais, nomeadamente nas praias de Pedrogão, Vieira, S. Pedro de Muel, Nazaré, S. Martinho do Porto, Foz do Arelho, Baleal, Peniche, Berlenga, Porto Batel, Porto das Barcas, Porto Dinheiro e Porto Novo.
As embarcações constituem o ponto de partida para um estudo mais alargado sobre a comunidade onde se inserem, procurando despertar sentimentos de pertença associados ao património náutico do seu grupo de origem. "Pretende-se uma (re)valorização da herança cultural, entendida como elemento vital das identidades colectivas, incutindo porém em cada indivíduo a co-responsabilização na sua preservação".
A participação neste projecto está reservada a grupos de alunos acompanhados por um ou mais docentes, que frequentem uma escola da zona litoral de Leiria, para assim terem acesso facilitado às próprias praias para investigação no terreno e contacto directo com o mundo piscatório.
Os grupos deverão seleccionar uma embarcação típica da região onde se localiza a escola. A embarcação seleccionada será objecto de um estudo exaustivo e multidisciplinar que envolve a participação do grupo num trabalho de pesquisa que, numa primeira fase, traduz-se no preenchimento da Ficha de Inventário da embarcação em causa para, numa fase posterior, se alargar num estudo mais abrangente que contextualiza aquela embarcação na história e na vida da comunidade.
Assim, a Extensão Educativa do Museu de Marinha tem como principal objectivo apresentar-se como mediador entre o Museu e todos aqueles que o procuram como instrumento pedagógico.

Estou convencido que estes são excelentes exemplos de projectos que revelam a importância das parcerias, do trabalho cooperativo, das manifestações culturais, etc... para o enriquecimento do currículo.

nunoliveira disse...

Um post com um projecto ao qual dei particular atenção pois achei bastante interessante. Primeiro porque não fazia ideia em que em Portugal já pudesse estar a desenvolver algo do género.
Creio ser um excelente projecto que contibui imenso para enriquecer o currículo pondo em evidência o trabalho em grupo.